JambaKiaxi

O mundo noticioso sem preço

Conteudo da obra “os donos angolanos de Portugal” é desmentido por Nogueira Leite

Nogueira Leite Empresário portugues

Nogueira Leite
Empresário portugues

Foi lançado em Portugal a obra com o título “os donos Angolanos de Portugal”. A obra que é co-autorada por Jorge Costa, Francisco Louçã e João Teixeira Lopes aprofunda as ligações entre interesses económicos entre angolanos e portugueses.

“De Angola apenas conheço o aeroporto de Luanda em trânsito para Maputo.” É desta forma que António Nogueira Leite, administrador da EDP Renováveis, reage ao livro onde Francisco Louçã o junta a uma dezena de nomes com ligações privilegiadas a Angola e ao artigo publicado no jornal Público que detalha as alegadas relações.

Num esclarecimento por escrito, o economista e gestor afasta-se do “exemplo de traficante de influências entre Angola e Portugal”, que diz ter sido dada na apresentação do livro. E refere que não tem “quaisquer outras ligações a empresas de capital angolano e se tivesse, não veria qualquer problema”.

“Que o Dr. Louçã me queira exibir como um dos tentáculos do poder angolano com base em falsidades já não me admira. Que o Público papagueie acriticamente algo tão falso, sem qualquer base real, já me preocupa (mas também não admira) “, refere.

Na apresentação do livro que Francisco Louçã publicou recentemente com Jorge Costa e João Teixeira Lopes, foi dito que para a teia de relações Portugal-Angola  entram nomes “de altíssimo peso político” e elevado protagonismo. E foi aqui que o nome de Nogueira Leite apareceu: “Foram ministros ou secretários de Estado, estão lá Ângelo Correia, Miguel Relvas, Nogueira Leite, Armando Vara, António Vitorino ou Nuno Thomaz”, referiu um dos autores de “Os donos angolanos de Portugal”.

O economista esclarece ainda: “A minha suposta ligação com Angola é feita via OPEX, como consta da figura publicada [pelo jornal Público] em papel e online”, empresa que “é uma sociedade gestora de mercados de títulos e outros instrumentos financeiros fundada por mim e mais 4 antigos gestores do mercado (João Correia de Matos, Jorge Valentim Lourenço, Álvaro Dâmaso e Luís Patrício Rodrigues) em 2002”, cuja “actividade é regulada pela CMVM”.  E continua, afirmando que, inicialmente, detinha uma posição de cerca de 10% que “estava reduzida a menos de 1% no início de 2011 quando a vendi”. E, “não vendi a investidores angolanos”, detalha.

Fonte: Dinheiro Vivo

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 17 de Janeiro de 2014 by in Economia and tagged , , , , , , , , , .

Navegação

%d bloggers like this: