JambaKiaxi

O mundo noticioso sem preço

José Eduardo dos Santos anuncia crise interna

20120613125811O discurso pronunciado por José Eduardo dos Santos na VII sessão ordinária do Comité Central do MPLA, nas vestes de presidente daquele partido, denunciou as incongruências organizativas de que esse partido está a ser alvo nos últimos tempos,  fruto das excessivas ocupações dos quadros membros e da irresponsabilidade de outros que periodicamente apresentam  relatórios e dados pouco fiáveis.

No discurso que se segue, José Eduardo dos Santos, rebate contundentemente sobre esses assuntos:

CAMARADA VICE-PRESIDENTE,

CAMARADA SECRETÁRIO-GERAL,

CAMARADAS DO COMITÉ CENTRAL,

Estamos a realizar esta reunião para apreciar e aprovar os documentos fundamentais que vão orientar o nosso trabalho neste ano. Refiro-me designadamente ao Plano Geral de Actividades e ao Orçamento Geral do Partido para o ano de 2014.

No Bureau Político e no seu Secretariado, a discussão destes assuntos foi precedida da discussão do balanço do trabalho do Partido feito no ano passado, cujo relatório será apresentado nesta reunião.

Constatou-se que, de uma maneira geral, este Balanço é positivo. Porém, também foram detectadas falhas e omissões, algumas das quais preocupantes, que devem ser analisadas para se encontrarem as suas reais causas e vias para as corrigir.

O Partido tem dedicado muito esforço e tempo à organização e funcionamento do Estado, através dos seus militantes que exercem funções nas instituições públicas, e muito menos tempo às questões relativas à vida interna do Partido.

O Secretariado do Bureau Político, cuja tarefa essencial é estudar os assuntos através dos departamentos competentes especializados e preparar a agenda e as matérias para apreciação e decisão do Bureau Político e do Presidente do Partido, tem sido muito lento, neste domínio, e pouco dinâmico no acompanhamento e concretização das resoluções.

Concluiu-se na última reunião do Bureau Político a que presidi que as estatísticas apresentadas pelo Departamento de Organização e Mobilização continuam a não ser fiáveis, por variarem sempre para menos em relação ao número anterior de militantes e de Comités de Acção.

Por outro lado, o Organismo Executivo Central, que conduz o movimento de revitalização das estruturas de base do Partido, não tem imprimido ao processo, a orientação integradora e dinamizadora que os Comités de Acção devem assumir, para assegurarem uma actividade concertada, no futuro, das comissões de moradores, das estruturas de vigilância comunitária a criar e de outros agentes que actuam em prol do bem-estar, da ordem e tranquilidade públicas das comunidades em que estão inseridas.

Recomendou-se assim, o reajustamento dos métodos de trabalho e do programa de acção da Comissão Nacional do Movimento de Revitalização e a capacitação da área do Departamento de Organização e Mobilização, que se ocupa do registo electrónico dos dados do Partido.

Outra constatação feita é que a supressão dos círculos de estudo, das candidaturas livres e da eleição directa dos Primeiros Secretários dos Comités de Acção do Partido, arrefeceu ou quebrou o dinamismo da actividade das estruturas de base do MPLA, impondo-se agora reflectir se vale a pena ou não voltar à primeira forma.

Essa perda de dinamismo do trabalho político e partidário e o diálogo insuficiente entre os dirigentes, responsáveis, quadros e as bases do Partido, e o povo de um modo geral, não permite manter viva e actualizada a mensagem sobre as intenções e realizações do MPLA, abrindo espaços vazios que são preenchidos, com algum impacto, com mentiras e calúnias dos seus detractores e adversários de má fé.

Assim, foi também recomendado reflectir sobre a real situação interna do Partido e a sua inserção na sociedade angolana.

Finalmente, outro assunto importante que deve merecer a nossa atenção é o do sistema de prestação de contas definido nos nossos Estatutos e Regulamentos para avaliarmos a necessidade ou não de o completarmos com novos elementos.

Com efeito, o Comité Central apresenta ao Congresso um Relatório de Balanço e, por sua vez, o Bureau Político submete de seis em seis meses o seu Relatório de Balanço ao Comité Central.

Não está claro o método de prestação de contas do Secretariado do BP ao Bureau Político, nem dos Secretários do BP ao Secretariado do BP e ao Bureau Político.

Esta parece-me, pois, uma matéria que carece também de estudo, assim como a relação de trabalho entre o Bureau Político e os Comités Provinciais do Partido, já que não me parece suficiente a acção dos grupos de acompanhamento do Secretariado do Bureau Político às províncias.

As reuniões metodológicas anuais dos Departamentos de Organização e Mobilização, de Administração e Finanças e de Quadros, bem como as jornadas parlamentares da Bancada Parlamentar do MPLA, com a participação do Departamento para os Assuntos Políticos e Eleitorais, e as reuniões do Departamento para a Política Económica e Social com os militantes do Partido que se ocupam das questões macroeconómicas do Estado, têm permitido, entretanto, superar algumas das lacunas apontadas, ajudando a melhorar o desempenho do Partido no seu todo.

Caros Camaradas,

Constam ainda da nossa Agenda o completamento do Bureau Político e da Comissão de Auditoria e Disciplina, a Convocatória do próximo Congresso e a informação sobre o estado de implementação do Plano Nacional da Formação de Quadros.

Em conformidade com os Estatutos do Partido, deverá ter lugar em 2014 o seu Congresso, para discutir e aprovar, entre outros assuntos, a Moção de Estratégia do Líder que traçará as orientações e objectivos gerais para o desenvolvimento do Partido, do Estado e da sociedade, incluindo a realização das próximas Eleições Gerais.

Acontece, porém, que essas eleições só terão lugar em 2017 e fazer previsões sobre as mesmas em 2014 é muito cedo. Parece assim haver necessidade de realizarmos um outro Congresso em 2015 ou em 2016.

Como vêm, temos várias matérias a tratar para propormos as orientações gerais e específicas que conduzam à sua realização. Desejo a todos um Ano Novo Feliz e êxitos à nossa reunião que declaro aberta!

Luanda, aos 7 de Fevereiro de 2014

Discurso pronunciado pelo camarada José Eduardo dos Santos, presidente do MPLA, na VII sessão ordinária do Comité Central.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 10 de Fevereiro de 2014 by in Politica and tagged , , , , , , , , .

Navegação

%d bloggers like this: