JambaKiaxi

O mundo noticioso sem preço

Saimone Macuiana acusa PRM de violar acordo de cessação das hostilidades

sadasfO governo moçambicano desmente as declarações proferidas pelo chefe da delegação da RENAMO, Saimone Macuiana, que acusa a Polícia de protecção (PRM) e as Forças de Defesa e Segurança (FDS) de violar o acordo de cessação das hostilidades militares no país.

De acordo com a Rádio Moçambique (RM) e a Agência de Informação de MOçambique (AIM), a RENAMO afirma que o Governo moçambicano está a violar o acordo de cessação das hostilidades militares, ao permitir a movimentação das Forças de Defesa e Segurança nas zonas de “conflito” nas regiões centro e norte de Moçambique.

“As movimentações na zona centro e norte decorrem particularmente em Muxúngue, Save, Casa Nova, Marínguè, Gorongosa. Essa movimentação não só é da polícia de protecção, como também de forças especializadas e armamentos pesados como BTR”, disse hoje, 6, o chefe da delegação da RENAMO e deputado pelo mesmo partido, Saimone Macuiana, falando no término de mais uma sessão de diálogo que teve lugar no Centro de Conferências Joaquim Chissano, em Maputo.

Para Macuiana, a movimentação dessas forças contraria o princípio da paz, pois “há revistas a todo tempo, incluído na estrada que leva a terra natal do líder da Renamo (Afonso Dhlakama) onde se encontra actualmente”.

Macuiana revelou que a Renamo já informou a Procuradoria-Geral da República (PGR), a Assembleia da República (AR), a Equipa Militar de Observadores Internacionais da Cessação das Hostilidades Militares (EMOCHM) e os países que participam neste processo.

Contudo, o chefe adjunto da delegação do governo e ministro dos transportes e comunicações, Gabriel Muthisse, explicou que não há, no acordo, nenhuma alínea que veda a movimentação da PRM e das FDS.

“Seria grave se eles dissessem que esses efectivos invadiram uma base da Renamo ou impediram os homens da Renamo de realizar as suas actividades. Parece-me que Moçambique não perdeu ainda a soberania”.

O acordo de cessação das hostilidades militares foi assinado entre o Chefe do Estado, Armando Guebuza, e o seu líder, Afonso Dhlakama, a 5 de Setembro de 2014.

Fonte:VOA/Jambakiaxi

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 7 de Janeiro de 2015 by in Politica and tagged , , , , , , .

Navegação

%d bloggers like this: