JambaKiaxi

O mundo noticioso sem preço

Resultados parciais colocam opositor na liderança das eleições da Nigéria

rgerOs primeiros resultados das eleições presidenciais na Nigéria foram divulgados nesta segunda-feira (30) pela Comissão Eleitoral Independente (Inec). De oito dos 36 estados nigerianos e na capital federal, o candidato Muhamadu Buhari, que enfrenta o actual presidente Goodluck Jonathan, venceu em cinco estados, enquanto o chefe de Estado saiu vencedor nos três restantes e na capital.

Os nigerianos, que compareceram em peso às urnas no fim de semana, aguardam o resultado de uma eleição presidencial muito acirrada, cujos primeiros resultados publicados não permitem antever quem sairá vitorioso.

O presidente atual tem uma pequena vantagem em número de votos (menos de 20 mil, por enquanto). Novos resultados devem ser anunciados ainda nesta segunda.

À margem das negociações sobre o programa nuclear iraniano na Suíça, o secretário de Estado americano, John Kerry, e seu colega britânico, Philip Hammond, afirmaram que não aconteceu uma manipulação sistemática do processo eleitoral na Nigéria, mas existem “indícios preocupantes de que o processo de apuração dos votos pode ser objeto de interferências políticas deliberadas”

A Comissão Eleitoral Independente da Nigéria reagiu de maneira rápida e afirmou que os temores não têm fundamento e “não existe nenhuma prova de interferência política”.

Ante o risco de violência pós-eleitoral, a União Africana (UA) fez um apelo, em um comunicado, pelo recurso “aos meios legais existentes em caso de contestação dos resultados” da eleição, que segundo a organização respeitou os “princípios continentais de eleições democráticas”.

Cessar-fogo

Neste contexto, um cessar-fogo foi imposto esta noite no estado de Rivers, no sul do país, após tumultos causados pelo anúncio dos resultados locais.

“O governo impôs um cessar-fogo no estado de Rivers de 19h (15h00 de Brasília) às 6h (de terça-feira) a fim de evitar qualquer tumulto à rdem pública em razão da situação política”, declarou o porta-voz do governo, Ibim Semenitari.

A disputa presidencial mais acirrada desde o fim da ditadura em 1999 tem como rivais o atual chefe de Estado, Goodluck Jonathan, de 57 anos, e Muhamadu Buhari, 72, candidato do Congresso Progressista (APC).

Quase 69 dos 173 milhões de habitantes da Nigéria compareceram às urnas para escolher o presidente, os 109 senadores e 360 deputados do país de maior população da África, o maior produtor de petróleo e principal potência económica do continente.

Pela primeira vez os eleitores foram identificados pela impressão digital, o que em tese deveria evitar as fraudes registadas em votações anteriores.

Para a UA, “os processos de registo, de votação e de apuração foram, em geral, muito transparentes”.

Violência pós-eleitoral
Analistas temem distúrbios após o anúncio dos resultados, como os que aconteceram nas eleições de 2011, que deixaram quase 100 mortos.

Os primeiros incidentes foram registrados no domingo em Port-Harcourt, capital do estado petrolífero de Rivers (sul), entre partidários de Jonathan. O presidente da INEC, Attahiru Jega, prometeu investigar todas as queixas e pediu calma.

Em Kaduna, grande cidade do centro do país e uma das mais afectadas pela violência de 2011, existe o medo de repetição do massacre de cristãos ocorrido quando Buhari admitiu a derrota para Jonathan há quatro anos.

Oito membros do grupo islamita Boko Haram e três milicianos morreram nesta segunda-feira em combates nos estados de Gombe e Bauchi, nordeste da Nigéria, a região mais afetada pela organização extremista.

Supostos membros do Boko Haram atacaram várias aldeias dos estados de Gombe e Bauchi no último final de semana, vandalizando colégios eleitorais durante as eleições.

O Boko Haram, expulso recentemente de suas fortalezas em Adamawa, Yobe e Borno, três outros estados do nordeste do país, por uma operação militar regional, intensificou os ataques em Bauchi e Gombe nas últimas semanas.

No domingo, o exército executou ataques aéreos e uma operação terrestre contra os insurgentes perto de Bauchi e instaurou um toque de recolher por tempo indeterminado nesta cidade e em outros dois distritos.

O líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, havia prometido perturbar as eleições e seus combatentes executaram vários ataques, sem alcançar o objetivo de impedir o comparecimento dos eleitores.

Fonte:Notícias ao Minuto/Jambakiaxi

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 30 de Março de 2015 by in Politica and tagged , , , , .

Navegação

%d bloggers like this: