JambaKiaxi

O mundo noticioso sem preço

UNITA exige transparência total nas eleições gerais de 2017 em Angola

rfwfIsaias Samakuva, Presidente da UNITA, pede transparência em todo o processo na realização das eleições gerais de 2017 em Angola, que devem ser livres e justas.

Isaías Samakuva, líder da UNITA, principal partido da oposição, alerta os angolanos e a comunidade internacional face à pretensão de se criar uma nova base de dados do registo eleitoral, sob a custódia do Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos.

Contra as fraudes detectadas nas três eleições antecedentes, Samakuva disse recentemente em Lisboa que a transparência no próximo ato eleitoral é fundamental para a estabilidade no país.

O presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) fez o aviso, depois de apresentar um conjunto de exemplos daquilo a que chamou de “flagelo de fraudes eleitorais”, ocorrido nas eleições de 1992, 2008 e 2012. Samakuva sublinhou que o principal partido da oposição aceitou os resultados em nome da paz e da estabilidade.

Em declarações à DW África, à margem da conferência organizada por um grupo de deputados portugueses, Samakuva insistiu na realização das eleições autárquicas e que se ponha fim, desde já, às violações dos processos eleitorais. “A forma como se pretende aprovar a lei dos registos eleitorais viola claramente a Constituição de Angola. E nós estaremos permanentemente a denunciar isso e a exigir que a verdade, a justiça e o Estado de direito sejam repostos também nesses casos”.

Paz em Angola será preservada

O líder do principal partido da oposição critica as manobras do actual regime angolano visando a sua manutenção no poder através de processos eleitorais viciados, e afirma que a UNITA vai trabalhar afincadamente para que as próximas eleições gerais decorram à luz da transparência, de modo a não pôr em perigo todo o esforço para a manutenção da paz em Angola.

“É verdade que do nosso ponto de vista as eleições fazem parte de um processo que está agora a começar com a proposta de lei sobre o registo eleitoral pelo que temos de tomar medidas relativas ao processo eleitoral agora”.

Contrariamente ao que aconteceu em 2012, Isaias Samakuva exige a presença de observadores internacionais para fiscalizar todo o processo eleitoral. “Os observadores de um lado atuam como dissuasores mas do outro lado fiscalizam o próprio processo e podem chamar a atenção quem esteja a previdicar para que reponha o que está estabelecido na lei”.

O presidente da UNITA lamenta o facto de os cidadãos nacionais radicados no estrangeiro não poderem votar nas próximas eleições. A proposta de lei em debate no Parlamento visa excluir mais uma vez os angolanos na diáspora, o que contraria os princípios estabelecidos na própria Constituição. Por isso, Samakuva reafirma o esforço do partido do Galo Negro para que isso não venha a acontecer num futuro próximo.

Fonte:Angola 24 horas/Jambakiaxi

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 2 de Abril de 2015 by in Politica, UNITA and tagged , , , , , .

Navegação

%d bloggers like this: