JambaKiaxi

O mundo noticioso sem preço

Angola não envia tropas para a RCA

qffGeneral Nunda descartou o envio de militares para a força de Paz. O país em conflito será apoiado “com recursos”.

O Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas, Sachipengo Nunda, esclareceu, questionado pela Lusa, que Angola já não prevê o envio de militares para a força de Paz na República Centro-Africana (RCA), optando por apoiar “com recursos”.

“O Estado angolano achou por bem participar fundamentalmente com recursos. Porque a RCA não tinha recursos nem para fazer funcionar o Governo. Mais forças sem Governo não seria uma solução muito relevante”, explicou o general Sachipengo Nunda, à margem do encontro das chefias militares da lusofonia, que está a decorrer em Luanda.

Em causa estava o envio de um batalhão de infantaria motorizada, com o seu armamento técnico, uma companhia de forças especiais e um hospital de campanha para a RCA, para integrar a missão de paz da Organização das Nações Unidas (ONU), conforme anunciado pelo Governo angolano a 20 de Novembro, na sequência de um pedido nesse sentido à Assembleia Nacional.

A RCA continua a viver um cenário grave de violência inter-religiosa, estando no terreno uma força internacional de manutenção de Paz da ONU (MINUSCA), que deveria contar, segundo o anúncio de 2014, com mais 2.000 militares angolanos.

Contudo, referiu agora o general Sachipengo Nunda, questionado pela Lusa, “mais fogo” pode não ser a solução para a situação naquele país africano.

“Angola achou que já está a dar o apoio. O apoio que já se está a dar ao Governo [da RCA], para que reconstitua o Estado, talvez seja mais importante, mais útil, do que mandar forças [angolanas] para o terreno”, reconheceu o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas de Angola.

O envio de forças militares por Angola para a RCA chegou a ser prevista para o primeiro trimestre de 2015.

“Angola, na voz do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, escreveu ao Secretário-geral da ONU, comunicando da disponibilidade do nosso país em enviar forças para integrar a MINUSCA”, informou, em Novembro, o ministro da Defesa Nacional, João Lourenço.

Desde Dezembro de 2013 que a RCA enfrenta sucessivos casos de violência protagonizados por milícias muçulmanas, partidárias dos rebeldes do Seleka, e cristãos denominados anti-Balaka.

Em 2014 estavam no terreno cerca de 2.000 militares franceses e 5.800 da União Africana.

Fonte:Rede Angola/Jambakiaxi

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 7 de Maio de 2015 by in Politica and tagged , , , .

Navegação

%d bloggers like this: