JambaKiaxi

O mundo noticioso sem preço

Desapareceram’ 187 milhões de euros das contas do BCI Angola

rghAuditoria de KPMG revelou ‘desvio’ injustificado. Foram também detetadas outras falhas na atividade do Banco de Comércio e Indústria. O BCI Angola tem de explicar o ‘desaparecimento’ de 2,3 mil milhões de kwanzas (187 milhões de euros) das contas de 2013 e 2014.

A auditora diz não haver “suporte documental” nas demonstrações financeiras de 2013 e 2014 para esta verba e alerta que continuidade da operação do BCI “depende do suporte financeiro dos accionistas e da capacidade de obtenção de recursos financeiros externos”. Contas sem suporte documental, volume avultado de crédito de difícil cobrança, discrepâncias no inventário do património físico, montantes de pensões de reforma indeterminados. É esta a lista das constatações da auditoria da KPMG às contas do Banco de Comércio e Indústria (BCI).

A KPMG recomenda “a regularização contabilística de modo apropriado para que as contas do Activo reflictam a real situação do banco”. O BCI apresenta activos no valor de 106,8 mil milhões Kz (871 milhões de euros), em 2014, contra 99 mil milhões Kz (800 milhões de euros), em 2013. “Do total de passivos (100 mil milhões Kz), 77 mil milhões Kz são depósitos verificados em 2014 e 67 mil milhões Kz no ano anterior (totalizando passivos de 99 mil milhões Kz para 2013), segundo o relatório”, diz a notícia.

A auditora afirma ainda que o banco se encontra aquém de alcançar o nível mínimo de fundos próprios exigido pelo Banco Nacional de Angola (BNA) e que é de 10%, para cobertura de risco da actividade bancária. Esse nível não foi alcançado “devido ao facto de os accionistas não terem feito o aporte necessário, como previsto no ano transacto”, diz a KPMG. Outro alerta vem do facto de haver “um elevado volume de Créditos de Cobranças Duvidosas, sendo alguns de difícil recuperação, uma vez que os seus beneficiários se encontram em parte incerta, a julgar pelas tentativas de contacto realizadas pela área responsável por referidos créditos”

Criado a 11 de Julho de 1991 por decreto do Conselho de Ministros, o BCI é detido pelo Estado em 91% enquanto a Sonangol, a Endiama, a ENSA, a TCUL e o Porto de Luanda detêm 1,1% cada.

Fonte:Angola 24 horas/Jambakiaxi

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 14 de Maio de 2015 by in Politica and tagged , , , , , , .

Navegação

%d bloggers like this: